#

patrocínio:

Lei de Incentivo à Cultura Petrobras
Brasil Memória das Artes
Conheça o Brasil Memória das Artes

Marlene, João Bosco e Novelli em clima de ensaio geral no Projeto Pixinguinha de 1980

Entre conversas, sambas, marchas e boleros, rainha do rádio de 1949 e 50 dividiu o palco com dois craques instrumentistas e compositores da música popular brasileira

João Bosco e Marlene no palco do Teatro Dulcina (Rio de Janeiro), na abertura da turnê do Projeto Pixinguinha, em 1980

João Bosco e Marlene no palco do Teatro Dulcina (Rio de Janeiro), na abertura da turnê do Projeto Pixinguinha, em 1980

Mídias deste texto

Imagens (6 imagens)

Áudios (18 áudios)

  • < play >
    00:00 vol
    subir
    • Sem fim – Novelli

    • Dois pra lá, dois pra cá – João Bosco

    • Geni e o zepelim – Marlene

    • Joujoux e balangandãs / Você já foi à Bahia? / Os quindins de iaiá / O samba da minha terra / Pelas ruas do Recife – Marlene, João Bosco e Novelli

    • Uma canção desnaturada – Marlene

    • Atraente – Marlene

    • Beguine dodói – Marlene

    • Moleque – Marlene

    • Triste Baía da Guanabara – Novelli

    • Laranja azeda – Novelli

    • Reis e rainhas do maracatu – Novelli

    • Linha de passe – João Bosco

    • Profissionalismo é isso aí – João Bosco

    • Escadas da Penha – João Bosco

    • Tal mãe, tal filha – João Bosco

    • Gente da noite / Ronda / Mané Fogueteiro / De frente pro crime / Lata d’água / Mora na filosofia / Rancho da goiabada – João Bosco e Marlene

    • Galope – Marlene, João Bosco e Novelli

    • Linha de montagem – Marlene, João Bosco e Novelli

    descer

Marlene e João Bosco já se conheciam desde 1974. Foi naquele ano que a cantora estrelou o espetáculo Te Pego Pela Palavra, na boate carioca Number One, renovando seu repertório à base da produção de jovens compositores como o então iniciante violonista mineiro. Eram dele (em parceria com o fiel Aldir Blanc) nada menos do que cinco canções do show produzido por Herminio Bello de Carvalho: Dois Pra Lá Dois Pra Cá, Cabaré, Resistindo, O Chefão e Beguine Dodói (com Cláudio Tolomei). Gravado pela Odeon e lançado em LP naquele mesmo ano, Te Pego Pela Palavra acabou sendo um divisor de águas na carreira de Marlene, que a partir dali atualizou seu já imenso estoque de fãs e sambas.

Só em 1980 Marlene e João Bosco voltaram a se encontrar profissionalmente, desta vez no Projeto Pixinguinha e acompanhados por Novelli – compositor e baixista pernambucano que, envolvido em diversos conjuntos e projetos coletivos desde o fim dos anos 60, se lançava em carreira solo. Era sua estreia no Pixinguinha, enquanto João Bosco e Marlene participavam do Projeto pela segunda vez – ele, depois de turnê com Clementina de Jesus em 1977; ela, que dividiu com Gonzaguinha um dos espetáculos mais concorridos das temporadas de 1977 e 78.

“Na época do Te Pego Pela Palavra, o Bosco levava as músicas dele para eu cantar. Agora estamos aqui, no mesmo trabalho”, contou Marlene ao jornal carioca Encontro, na edição de 26 de outubro de 1980. “Tomara que o Novelli, que está sendo lançado agora, mas que é meu músico há muito tempo, também estoure como o Bosco e como o Gonzaguinha.” Na mesma entrevista, a cantora de Lata d’Água (Luís Antônio e Jota Júnior), Zé Marmita (Luís Antônio e Brasinha) e Mora na Filosofia (Monsueto Menezes) contava que, mesmo com 32 anos de carreira, estava ansiosa para ver o resultado da turnê com João Bosco e Novelli. “No dia em que eu não estiver nervosa na véspera de um novo trabalho, não serei mais eu. Estarei morta.” Clique na galeria de imagens para ler esta e outras matérias sobre o espetáculo.

De 23 de outubro (data da estreia, no Rio de Janeiro) a 12 de novembro (data do último show, em Aracaju), a turnê fez um total de 16 apresentações, passando também por São João de Meriti (RJ), Brasília, Teresina e Campina Grande (PB). Acompanharam as três atrações os músicos Sérgio Carvalho (teclado), Darcy Fernandes (piano), Wagner Dias (contrabaixo), Chiquinho (bateria), André Tandeta, Maurício Jorge e Armando (percussões).

A direção artística ficou com o piauiense Benjamim Santos, que deu ao show um clima de ensaio aberto, como a própria Marlene tratava de dizer aos espectadores – como ouvimos na gravação do espetáculo e lemos na crítica publicada pelo Jornal de Brasília em 1 de novembro de 1980: “Sem querer ser o centro das atenções, Marlene torna-se a figura central do show, ou, como ela mesma diz, do ‘ensaio’.” O texto, assinado por Kido Guerra, elogia João (que “continua cantando os problemas do povo sem panfletagem ou agressões”), Novelli (embora nervoso como intérprete, é “sem dúvida, muito competente”) e o repertório variado: “De Ataulfo Alves a Gonzaguinha, passando por Chico Buarque e, obviamente, João Bosco e Novelli.” Trata-se, enfim, de “um dos melhores espetáculos já realizados em Brasília este ano”. Na galeria de áudios, ouça o espetáculo na íntegra.

Também publicada em 1 de novembro, a crítica do Correio Braziliense – assinada por Irlam Rocha Lima – não foi tão igualitária na divisão dos elogios à primeira apresentação do trio na Capital Federal. Segundo o jornalista, só faltaram os gritos de “É a maior!” para que a grande cantora do rádio se sentisse na Nacional dos anos 40 e 50: “Foi tão brilhante a participação de Marlene no show que chegou a ofuscar a presença do grande João Bosco e do notável Novelli.”

Compartilhe!

Caro usuário, você pode utilizar as ferramentas abaixo para compartilhar o que gostou.

Comentários

1

Deixe seu comentário

* Os campos de nome, e-mail e mensagem são de preenchimento obrigatório.

Uzaru P. Cavalcante

enviado em 4 de setembro de 2011

Na época do show Te Pego Pela Palavra, minha mãe iria com uma amiga que mora até hoje no centro da cidade. Só que a mesma teve um problema e acabou não indo. Pra não perder um ingresso minha mãe me chamou. Na hora pensei, pô ver Marlene ela só vai tocar marchinhas de carnaval, e eu só curtia rock naquela época. Acabei indo. Quando começou o show a mulher no maior pique, coisa que muito roqueiro não tem. Fiquei boquiaberto e disse pra minha mãe : Essa mulher é Rock and Roll !!!. A partir desse dia passei a ter um respeito enorme por essa ARTISTA. Ela faz parte de uma geração de ouro que infelizmente não vai voltar. Que eu tive o privilégio de ver ainda jovem. Que Deus te proteja e te conserve sempre assim, como umas das maiores cantoras de todos os tempos.

Textos

leia todos os 212 textos deste acervo »

Imagens

veja todas as 301 imagens deste acervo »

Áudios

ouça todos os 783 áudios deste acervo »

  • Músicas
    • + info
      • Título: O passarinho cantou
      • Intérprete(s): Show Ivan Lins e Nana Caymmi
      • Compositor: Ivan Lins e Vitor Martins
      • Ano: 1977
      • Gênero: Ao Vivo
      • Faixa: 18/18

     

    O passarinho cantou - Nana Caymmi e Ivan Lins

  • Músicas
    • + info
      • Título: Pisando em brasa
      • Intérprete(s):
      • Compositor:
      • Ano: 1978
      • Gênero: Ao Vivo
      • Faixa: 22/22

     

    Pisando em brasa - Canhoto da Paraíba

  • Músicas
    • + info
      • Título: Nascente
      • Intérprete(s):
      • Compositor:
      • Gênero: Ao Vivo
      • Faixa: 11/11

     

    Nascente – Beto Guedes

Vídeos

veja todos os 88 vídeos deste acervo »

  • Cachaça, árvore e bandeira – Moacyr Luz

    Cachaça, árvore e bandeira - Moacyr Luz

    Shows
  • DVD Funarte – Pixinguinha 2005 – Documentário – parte 10 de 10

    DVD Funarte – Pixinguinha 2005 – Documentário - parte 10 de 10

    Documentários
  • DVD Funarte – Pixinguinha 2006 – parte 05 de 05

    DVD Funarte – Pixinguinha 2006 – parte 05 de 05

    Documentários