#

patrocínio:

Lei de Incentivo à Cultura Petrobras
Brasil Memória das Artes
Conheça o Brasil Memória das Artes

Henrique Oswald (1988)

Obras executadas por Elisa Fukuda, José Eduardo Martins e Antonio Del Claro

Henrique Oswald (1988)

Mídias deste texto

Imagens (4 imagens)

Áudios (8 áudios)

  • < play >
    00:00 vol
    subir
    • Discos PRO-MEMUS – Henrique Oswald – Trio em Sol Menor – Allegro Moderato

    • Discos PRO-MEMUS – Henrique Oswald – Trio em Sol Menor – Adagio

    • Discos PRO-MEMUS – Henrique Oswald – Trio em Sol Menor – Scherzo, Allegretto

    • Discos PRO-MEMUS – Henrique Oswald – Trio em Sol Menor – Molto Allegro

    • Discos PRO-MEMUS – Henrique Oswald – Sonata em Mi Maior – Allegro Moderato

    • Discos PRO-MEMUS – Henrique Oswald – Sonata em Mi Maior – Allegretto Molto Moderato

    • Discos PRO-MEMUS – Henrique Oswald – Sonata em Mi Maior – Andante Molto Espressivo

    • Discos PRO-MEMUS – Henrique Oswald – Sonata em Mi Maior – Allegro con Fuoco

    descer

Henrique Oswald vem a ser o compositor brasileiro que mais intensamente se dedica à música de câmara, em termos de linguagem universal, durante o período compreendido entre a segunda metade do século XIX e os primórdios do século XX. Do Brasil parte aos 16 anos, fixando-se quase que exclusivamente na Itália. Florença vem a ser o seu reduto musical. A longa permanência, de 1868 a 1903, interrompida por algumas viagens ao Brasil e curta fixação no Havre, torna-o uma das poucas exceções qualitativas que praticaram a música de câmara em um país voltado quase que exclusivamente à Ópera Lírica. G. Sgambati (1841-1914), G. Martucci (1856-1909) e G. Buonamici (1846-1914) estão entre aqueles que cultuaram a música sinfônica e de câmara na Itália. Os compositores citados, inclusive o último, professor de Oswald, não ficam ausentes à forte influência da música alemã e, em parte, mas tardiamente, à francesa. A tradição exercida e ampliada por Beethoven, o austríaco Schubert, Schumann e Brahms é absorvida pelos mesmos. O modelo romântico alemão serve para a Itália, que não o desprezará em seu romantismo tardio das últimas décadas do século XIX.

(leia a íntegra do encarte na galeria de imagens; para melhor leitura, clique em “tamanho máximo”)

Lado A

Trio em Sol Menor, opus 9, para violino, violoncelo e piano.
I. Allegro moderato
II. Adagio
III. Scherzo. Allegretto
IV. Molto Allegro

Elisa Fukuda, violino
Antonio Del Claro, violoncelo
José Eduardo Martins, piano

Lado B

Sonata em Mi Maior, opus 36, para violino e piano.
I. Allegro moderato
II. Allegretto molto moderato
III. Andante molto espressivo
IV. Allegro com fuoco

Elisa Fukuda, violino
José Eduardo Martins, piano

Ficha Técnica

Produção: PRO-MEMUS/Funarte
Supervisão: Edino Krieger e Ronaldo Miranda
Coordenação: Luiz Carlos Prezia de Paiva
Gravação digital: Otto Dreschsler
Edição e padronização de texto: Nildon Ferreira
Programação visual: Elizabeth Laffayette
Arte final: Rui Pitombo

Gravação realizada no Auditório Horta Barbosa do Centro de Tecnologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, em abril de 1987.

Compartilhe!

Caro usuário, você pode utilizar as ferramentas abaixo para compartilhar o que gostou.

Comentários

0

Deixe seu comentário

* Os campos de nome, e-mail e mensagem são de preenchimento obrigatório.

Textos

leia todos os 28 textos deste acervo »

Imagens

veja todas as 165 imagens deste acervo »

Áudios

ouça todos os 337 áudios deste acervo »