#

patrocínio:

Lei de Incentivo à Cultura Petrobras
Brasil Memória das Artes
Conheça o Brasil Memória das Artes

“Eu e Cacilda fomos inimigas apaixonadas”

Em entrevista ao Serviço Nacional de Teatro em 1974, Tônia Carrero fala de sua conturbada relação com a colega de profissão, ícone do teatro brasileiro

Tônia Carrero em depoimento ao Serviço Nacional de Teatro, em 1974. Foto: Ney Robson. Cedoc-Funarte.

Tônia Carrero em depoimento ao Serviço Nacional de Teatro, em 1974. Foto: Ney Robson. Cedoc-Funarte.

Mídias deste texto

Imagens (10 imagens)

Áudios (2 áudios)

  • < play >
    00:00 vol
    • Entrevista com Tônia Carrero – 2a. parte

    • Entrevista com Tônia Carrero

Parte integrante do volume IV da coleção de livros intitulada Depoimentos, que a partir de 1974 disponibilizou importantes entrevistas com alguns dos mais importantes artistas da cena teatral nacional, a atriz Tônia Carrero falou ao Serviço Nacional de Teatro no dia 18 de fevereiro de 1974. Elegantemente vestida, com uma camisa social branca, joias e o cabelo curto impecavelmente penteado, Tônia falou, ao longo da entrevista concedida a personalidades como o ator Paulo Cesar Pereio e a escritora Nélida Piñon, sobre o aspecto de sua figura pública e artística mais lembrado, e sempre tema de inflamados debates: a beleza.

Durante o bate-papo, a atriz afirma à jornalista Marisa Raja Gabaglia que ser bela nunca lhe representou um ônus: “A beleza não atrapalha ninguém… Isso não aconteceu com Ingrid Bergman, isso não aconteceu com Greta Garbo, com as mulheres mais lindas do mundo, por que haveria de ocorrer com a pobre e medíocre brasileira chamada Tônia Carrero?”, confronta a intérprete, considerada uma das mais belas mulheres que o Brasil já teve.

Navalha na Carne: Um salto artístico

Com Pereio, ela se lembra do salto artístico que foi encenar Navalha na Carne, texto de Plínio Marcos dirigido por Fauzi Arap que despojou-a da imagem de mulher bela e requintada. A peça, ambientada em um quarto de bordel, tem como personagens a prostituta Neusa Sueli, o cafetão Vado e o homossexual Veludo, empregado do estabelecimento, todos ali na retratação da existência subumana e marginalizada. A montagem, inicialmente proibida pela censura, ganhou repercussão no Rio de Janeiro, em outubro de 1967, como lembra o crítico Yan Michalski em resenha integrante do livro Reflexões sobre o Teatro Brasileiro no Século XX, publicação da Funarte de 2005. A liberação da peça pela censura é um capítulo à parte na conversa, com Tônia confessando ter feito uso da beleza no convencimento de políticos, como o ministro Gama e Silva.

“Tive de me utilizar de todo o meu charme, que eu fiz pra Gama e Silva. E tive que contar também com o seguinte: já era uma senhora atriz, com vinte anos de carreira”.À medida que a conversa avança, Tônia afirma não se considerar talentosa, mas perseverante, dedicada, lembra de suas incursões pelo cinema – “quando se acreditava que a Vera Cruz seria Hollywood – da companhia Tônia-Celi-Autran e de sua experiência no Teatro Brasileiro de Comédia (TBC): “Éramos precursores da intelectualidade internacional”, afirma, ao lembrar da montagem do texto Huis Clos, de Jean Paul Sartre. “Havia gente que se levantava achando que aquilo agredia a moral burguesa”, continua.

No áudio disponível com a íntegra da entrevista, é perceptível o desconforto causado pela troca de farpas entre o autor, ator e diretor Aurimar Rocha, e a atriz. Nele também, está uma oportunidade única de ouvir o testemunho de Tônia sobre um de seus maiores desafetos: a atriz Cacilda Becker, considerada uma das maiores intérpretes da história do teatro brasileiro. “Cacilda tinha dez estrelas na testa. E morreu dizendo uma frase de Beckett em Esperando Godot. O mendigo pergunta: “O que é que você está fazendo?” Cacilda, deitada, respondia.”Estou olhando pra lua, que deve estar cansada de olhar pra terra e ver gente como nós”.

Com Cacilda Becker, a disputa na carreira e na vida amorosa

Provocada durante o bate-papo ao relembrar de Cacilda Becker, Tônia não procura meias palavras ao relembrar da conturbada relação entre as duas, quando Tonia decidiu tomar o lugar de Cacilda no coração de Adolfo Celi, italiano que veio para o Brasil em 1949 para ser o primeiro diretor artístico do TBC. A atriz se casaria com ele em 1957. “Eu e Cacilda fomos inimigas apaixonadas. Um ano e meio antes de ela ter ficado doente, eu disse a ela que só tinha querido o Celi por causa dela. Foi a coisa mais gratificante com que já presenteei uma mulher. Dei de presente a ela porque sabia que eu a fizera sofrer tanto. Não era exatamente aquilo, não, mas eu queria ser a atriz que Cacilda era. Eu queria o lugar dela. E Celi era a pessoa mais importante do teatro naquele momento…”

Assuntos relacionados: , ,

Compartilhe!

Caro usuário, você pode utilizar as ferramentas abaixo para compartilhar o que gostou.

Comentários

1

Deixe seu comentário

* Os campos de nome, e-mail e mensagem são de preenchimento obrigatório.

Marco Aurélio Mariano

enviado em 20 de fevereiro de 2017

Que bonito esse gesto de Tônia uma estrela reverenciando outra que foi Cacilda Becker.

Textos

leia todos os 12 textos deste acervo »

Imagens

veja todas as 47 imagens deste acervo »

Áudios

ouça todos os 16 áudios deste acervo »

Vídeos

veja todos os 7 vídeos deste acervo »

  • Henriette Morineau: balanço de uma vida em trânsito (Áudio-descrição)

    Henriette Morineau: balanço de uma vida em trânsito (Áudio-descrição)

    Videodocumento
  • Henriette Morineau: balanço de uma vida em trânsito (Closed Caption)

    Henriette Morineau: balanço de uma vida em trânsito (Closed Caption)

    Videodocumento
  • Henriette Morineau: balanço de uma vida em trânsito (Libras)

    Henriette Morineau: balanço de uma vida em trânsito (Libras)

    Videodocumento